Quarta-feira, 6 de Abril de 2005

TARDE NAS DUNAS

As dunas infinitamente belas
Com o esplendor do sol
Rendadas de plantas
Espinhosamente brancas e liláses
Rasteirando as areias
Olhei-as de cima do passadiço
Projectado para o mar
As cordas lateralmente a baloiçar
Sinuosas como corpos morenos
Fervilhando de paixões
Milhões de lábios devorando a luz
Olhos rasgados flutuando sobre ondas azuis
Numa profusão de formas
Redondas e macias
Narinas trémulas engolindo odores
De uma gama infinita de protectores
Sobre o lençol celeste
Há braços e abraços
Pernas como tentáculos
Enroscando desejo de sexo derretido
Num lamento levado pelo vento
Ao fim da tarde
E as dunas agora sombreadas
Pelos reflexos do sol poente
Permanecem altivamente
Livres e sós... sempre.


João Miranda
publicado por João Miranda às 22:43
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 11 de Abril de 2005 às 03:48
Como eu adoro as dunas a praia o mar a areia ***** que loucura quando me sinto livre e so' acompanhando o voar das gaivotas **************************Beijinhos com areia.......:-)*****Maria*********Maria****
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 7 de Abril de 2005 às 15:13
Deixando aqui a minha "marca de presenca" :-))********************beijinhos salgados********(por causa da travessia)*
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 7 de Abril de 2005 às 01:53
Beijinhos transatlanticos para o meu Poeta******************************mais um lindo Poema que sai direitinho da tua Alma*********************Maria****
</a>
(mailto:)


Comentar post