Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2005

ALMEIDA GARRETT

Paladino da cultura
Ao teatro deu alento
Esta tripeira figura
Das letras é monumento.

Foi um "brado de Mindelo"
E setembrista afamado
Fundou teatro modelo
Dona Maria chamado.

"Viagens Na Minha Terra"
É paleta multicolor
Anjo do amor e da guerra
É estafeta de fina flor.

Com "Dona Branca" e "Camões"
Inaugura o romantismo
Teus escritos são lições
De um invulgar portuguesismo.


João Miranda
11-11-2004
publicado por João Miranda às 20:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2005

O FADO É O DESTINO

Muitas vezes desfolhei
Um livro que eu comprei
Já velho mas bem tratado
Com folhas amareladas
E em letras bem gravadas
Tinha o nome de "Fado".

Li nele a verdade
O fado não tem idade
Não é velho nem menino
Tem alma e sentimento
É amor ou sofrimento
É a força do destino.

Temos fado todos nós
Não é preciso ter voz
Nem mesmo saber cantar
É fatalismo ou sorte
Que palpita muito forte
E ninguém pode mudar.

Quem canta tem o condão
De sentir no coração
Toda a magia do fado
Conheço o seu segredo
Agora eu sinto o medo
Do destino malfadado.


João Miranda
publicado por João Miranda às 22:06
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2005

O POETA PENSOU

Gaivota morta
Envolta em sangue
Jaz no chão
A tua vida findou.

Foi o temporal!
Ou um automovel
Que te atropelou?

Triste desventura
O poeta pensou
Pelas asas lhe pegou
E no jardim entre as flores
Em terra negra a enterrou
E exclamou
Ó mensagueira dos mares
Eu te venero nesta hora
E teu idólatra serei
Sempre sempre
Pela vida fora....


João Miranda
publicado por João Miranda às 22:24
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2005

MAR SENHOR DO MUNDO

Mar meu...
Mar imenso
Mar profundo
És o senhor do mundo
Altivo sublime e sedutor.
A beleza deslumbrante
És um admastor fascinante
Impotente e assustador.

Quando estás adormecido
Nunca perdes o sentido
Da tua autoridade
És severo e inconstante
E revelas a cada instante
A tua agressividade.

Levas tudo à tua frente
E matas cobardemente
De nada te compadeces
Na tua grandiosidade
Escondes tanta crueldade
Com os humanos te pareces.

Os poderosos deste mundo
São como o mar profundo
No prazer de dominar
Escravizam a humanidade
Com tirania e crueldade
São mais falsos de que este mar...


João Miranda
publicado por João Miranda às 19:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

MAR SENHOR DO MUNDO

Mar meu...
Mar imenso
Mar profundo
És o senhor do mundo
Altivo sublime e sedutor.
A beleza deslumbrante
És um admastor fascinante
Impotente e assustador.

Quando estás adormecido
Nunca perdes o sentido
Da tua autoridade
És severo e inconstante
E revelas a cada instante
A tua agressividade.

Levas tudo à tua frente
E matas cobardemente
De nada te compadeces
Na tua grandiosidade
Escondes tanta crueldade
Com os humanos te pareces.

Os poderosos deste mundo
São como o mar profundo
No prazer de dominar
Escravizam a humanidade
Com tirania e crueldade
São mais falsos de que este mar...


João Miranda
publicado por João Miranda às 19:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2005

MARCAS DO TEMPO

O sol acaricia a natureza
Lentamente o renascer das cinzas.

Do inverno restou apenas
A erva queimada
E o tronco nu
Da árvore tosca
E sem qualquer ninho.

A vida já gasta
Nada e ninguém renova
Nem a pele enrugada
Nem o olhar sem um brilhozinho
Não volta mais a leveza
Breve de um pular
De gato de ramo em ramo.

O tempo é implacável
Reserva-se à natureza
Esse mistério fantástico
Da renovação.

Resta-nos sómente
Dia a dia ano a ano
Não contemplar o espelho
E ver passar a brisa
Arrastando os pés
Como folhas secas pelo chão.


João Miranda
publicado por João Miranda às 21:54
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2005

GRITO DE POETAS

Somos a voz da madrugada
Somos ás vezes a voz parda
Somos a voz dos oprimidos
Somos a voz dos esquecidos.

Somos a voz dos explorados
Humilhados e exaltados
Somos a voz dos doentes
E a viz dos deficientes.

Somos a voz da razão
E a voz do coração
Somos a voz da consciência
E a voz da prudência.

Somos a aurora
Por este mundo fora
Somos uma resta de luz.


João Miranda
publicado por João Miranda às 01:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. QUERO AMAR-TE

. ...

. SEM MEDIDAS

. TEU OLHAR

. SE A LUA FOSSE

. SONHEI

. ...

. SÓ UM SONH...

. ...

. SONHO

.arquivos

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Abril 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds