Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2004

OUTONO DA VIDA

Os dias correm velozes
Breve primavera e verão
Nos céus com ares ferozes
Há nuvens de apreensão
E libertam as suas vozes
Neste circuito do tempo
Em continuo movimento.

As folhas que este outono
Foi tornando amarelecidas
Libertam-se ao abandono
Deixam de cepas despidas
Entregando-se a esse sono
Perpétuo das suas vidas
Nesse tempo com leveza
Regras da mãe natureza.

Assim nós humanos vamos
Perdendo toda a frescura
Se ao espelho nos olharmos
Maior ainda a desventura
E por infelizes nos damos
Ao ver o preço da factura
Que na hora certa cobra
Por concluida sua obra.

São as rugas os cansaços
A ausência da paciência
Trémulas pernas e braços
E olhar sem consciência
É um mundo de fracassos
Que se arrasta turbulência
Do qual não mais sai ileso
Por impotente indefeso.

João Miranda
publicado por João Miranda às 22:24
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. QUERO AMAR-TE

. ...

. SEM MEDIDAS

. TEU OLHAR

. SE A LUA FOSSE

. SONHEI

. ...

. SÓ UM SONH...

. ...

. SONHO

.arquivos

. Abril 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Abril 2007

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds