Segunda-feira, 8 de Novembro de 2004

INVENTAR SETEMBRO

Imprimo nas areias desta praia deserta
As marcas do meu corpo sem presença
Neste imenso céu aberto longínquo
Onde repousa este olhar vago esta indeferença...
Ao rochedo onde agora me sento
Confesso a solidão que sinto
O desalento que me invade
Alheio ao mar ao sol ao vento...
Ver ao longe o horizonte
É imaginar o limite de vida
Cujo percurso faço a cada passo
Como as ondas nesta areia entristecida
Desperta em mim o cântico
Duma sereia oceânica salgada
O relinchar do cavalo alado
Branco musculado galático
Céu mesclado de branco ensanguentado
Tarde que se esgota em melancolia
Alvorada que se avizinha em desalento
Deste setembro infinito que eu invento...


João Miranda
publicado por João Miranda às 22:23
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Anónimo a 9 de Novembro de 2004 às 18:55
Tua eterna admiradora aqui esta para continuar bebendo estes versos tao lindos e cheios de ternura.....continuo dizendo-te que seria a mulher mais feliz deste mundo ..... se eles fossem dedicados a mim, de qq modo tambem posso sonhar que talvez um dia, quem sabe, eu possa ser essa mulher previlegiada a quem tu dedicas tanto dessa alma tao rica....... es o "Meu POETA Lindo"
Beijos
*****maria**********maria*****
</a>
(mailto:)


Comentar post